quinta-feira, 5 de junho de 2008

Policiais do Batalhão de Choque também prestam homenagens à juíza Mirena Góes



Homenagens, orações e aplausos marcaram o enterro da juíza Mirena Dantas Fontes Góes, 59 anos, na tarde desta terça-feira, dia 3, na cidade de Riachão do Dantas, distante 99 km da capital. Mirena faleceu na madrugada desta terça-feira por falência múltipla dos órgãos, decorrente de uma neoplasia (espécie de tumor maligno ou benigno). Juíza da 6ª Vara Criminal da Comarca de Aracaju, a magistrada desempenhava atualmente a função de auditora responsável pela apuração dos delitos da Polícia Militar de Sergipe.

Filha do ex-deputado estadual Horácio Góes e irmã do também ex-deputado estadual e ex-secretário da Agricultura, Roberto Góes, a juíza estava internada há mais de 40 dias no hospital São Lucas, onde faleceu. No velório, realizado no hall do prédio anexo ao Tribunal de Justiça de Sergipe, o capelão católico da Polícia Militar, capitão Juarez dos Santos, prestou as últimas homenagens à juíza em breves palavras de conforto aos familiares, amigos e policiais militares presentes no local.

A guarda fúnebre da PM estava no local e encaminhou o corpo de Mirena a um translado com todas as honras civis para a sua terra natal, Riachão do Dantas. No local, uma salva de tiros com membros do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) recebeu o corpo da magistrada.

Entre o enterro e o velório estiveram presentes o governador de Sergipe, Marcelo Déda, o comandante geral da Polícia Militar, coronel José Péricles Menezes de Oliveira, o subcomandante da PM, Ivanilton Campos de Santana, coronel Antônio dos Santos, coordenador dos órgãos de execução da PM; coronel Albino de Brito Gomes, comandante do Policiamento Militar do Interior (CPMI), tenente-coronel José Enilson Aragão, comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar (3º BPM), tenente-coronel Carlos Augusto de Lima Bispo, chefe do Gabinete Militar, tenente-coronel Abiner Lobo, chefe da AG/2, o 1º Ten. Rocha, comandante da 1ª Companhia do BPChoque, representando o Maj. Carlos Rolemberg, comandante do Batalhão de Choque, que encontrava-se viajando a serviço da Polícia Militar, entre outros oficiais e praças que atuam na Corporação. Autoridades parlamentares e jurídicas também participaram das últimas homenagens à magistrada.

A Juíza Mirena ingressou na Magistratura no dia 16 de fevereiro de 1984, assumindo a Comarca de Aquidabã. Em 1988, ela assumiu, pelo critério de merecimento, a 6ª Vara Criminal.

Nenhum comentário: